Tem mais de 40? Conheça os exames ginecológicos que precisam ser feitos anualmente

exames

Hoje é quarta-feira, 05 de agosto, data em que se comemora o Dia Nacional da Saúde. Eu tenho a impressão que pouca gente sabe disso, tanto que resolvi fazer o post de hoje para chamar a atenção das minhas seguidoras que adiam demais a visita ao médico para realizar aqueles exames ginecológicos fundamentais para a prevenção de doenças depois dos 40.

Para cumprir essa tarefa, chamei uma pessoa especial: a minha querida irmã, Ana Paula Coral. Ela é ginecologista e obstetra e listou pra gente cinco tipos de exames básicos que toda mulher deve realizar anualmente para evitar complicações sérias de saúde. Veja quais são eles e programe-se:

Claudia Coral: Quais exames ginecológicos devem ser feitos pelas mulheres com mais de 40 anos?

Ana Paula Coral: Na lista de exames de rotina, temos o Papanicolau (Citologia Oncótica Cervical) que rastreia alterações nas células do colo do útero para detectar um possível câncer na região e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Quando dá tudo certo no Papanicolau, não há a necessidade de fazermos Colposcopia para mais investigação do colo de útero, mas recomendamos a realização de um ultrassom transvaginal para avaliar o útero, os ovários, a parte pélvica abdominal e a bexiga, a fim de detectar possíveis problemas.

Depois dos 40, todas as mulheres devem realizar a mamografia para a detecção precoce do câncer de mama, já que ela identifica as primeiras lesões que não atingem nem um centímetro. A mamografia é o único exame barato e acessível que consegue fazer o diagnóstico do câncer de mama, sendo a responsável por 95% dos diagnósticos da doença. Por isso, prescrevemos sempre. Já o ultrassom da mama tem uma ação mais complementar.

Como a maioria das mulheres costuma ir ao clínico geral somente quando há alguma queixa, nós também pedimos uma avaliação global da paciente por meio da realização de exames de sangue que analisam os níveis de colesterol, triglicérides e glicemia do organismo, assim como a condição dos hormônios da tireoide, através dos exames TSH e T4 livre. Também pedimos exame de urina 1 para avaliar se existe qualquer patologia. Além disso, se existir alguma queixa de mau funcionamento intestinal, fazemos um exame de fezes e um ultrassom de abdômen superior.

Nós também indicamos a realização do autoexame todo mês, logo após a menstruação, pois quem faz o diagnóstico da primeira alteração da mama é a paciente. Ela vem com uma queixa de que a mama mudou, e nós descobrimos o problema. Por isso, quando acabar a menstruação, palpe a mama e veja se está tudo bem. Para as mulheres que estão na menopausa, a dica é marcar um momento do mês para fazer o procedimento.

Vale a pena ressaltar que o autoexame consegue identificar nódulos com mais de 2 cm. Durante o exame, quando a gente palpa a mama, a sensação é de como se estivéssemos palpando um saco de estopa de arroz, uma porção de grãozinhos. Já um possível tumor, a gente percebe como um feijãozinho, fixo e duro, que não sai do lugar em hipótese alguma. Isso porque nódulo que se move de um lado para o outro não é câncer.

Image Map
572
Views

Comentários